Quer esteja a procurar emprego pela primeira vez, quer esteja a considerar uma mudança de carreira, ou à procura de uma oportunidade porque está desempregado, procurar emprego é de certeza um dos desafios mais duros que se pode encontrar. Por isso como podemos e devemos utilizar a nossa rede de contactos (networking) enquanto estamos à procura de emprego?

Em primeiro lugar, é importante que estabeleçamos uma Proposta de Valor Pessoal (PVP), como falei num artigo anterior. A nossa PVP representa a nossa medida em como deveremos ser escolhidos para uma determinada vaga ou posição de emprego.

Contudo, mesmo com uma PVP elevada, as oportunidades mais atractivas (quer profissional quer financeiramente) não nos vêm cair ao colo. Temos que saber procurar e fazermo-nos notar. Esta é a parte mais complicada e a mais cansativa do ponto de vista pessoal de quem procura emprego.

Uma das maneiras mais rentáveis e com maior visibilidade é através do Networking. A maneira para ter sucesso na procura de emprego através do networking, é chegar às pessoas que nos possam ser úteis.

A maneira de falhar na procura de emprego é quando limitamos os nossos contactos apenas com as pessoas que conhecemos bem. Se quiserem uma analogia, procurar emprego funciona um pouco como os jogadores de futebol, quando mais rematarmos à baliza, mais hipóteses teremos de conseguir marcar golo. Mas não basta disparar em todas as direcções, é importante focalizarmos os nossos esforços.

Porém, definir uma estratégia de procura de emprego através de networking não é fácil. É necessário ter empenho, organização e método, para se conseguir que a procura de emprego através da utilização de networking seja verdadeiramente eficaz. Já há uns tempos escrevi aqui sobre 6 Hábitos para aumentar o sucesso pessoal e profissional

Vamos então ver 6 estratégias que ajudam de forma eficaz a conseguir rentabilizar a procura de emprego:

 1. Alargar o campo de actuação da rede de contactos.

A maior parte das pessoas não se apercebe de quantos contactos efectivamente possuem. Normalmente falam com os seus amigos, mas param por aqui.

Devem considerar todo o tipo de pessoas que os possam ajudar, sejam eles antigos colegas de turma, colegas de anteriores empregos, relações profissionais de fora da sua área de actuação, e relações sociais.

Independentemente de nos puderem ajudar ou não, as pessoas que contactarmos ficarão lisonjeadas pelo facto de lhes estarmos a solicitar ajuda, mesmo que de forma indirecta.

 2. Criar uma nova rede de contactos ao longo do caminho.

As referências são isso mesmo: referências de alguém. Se alguém dentro da nossa rede não puder ajudar na nossa procura de emprego de certeza que conhecerá alguém que pode. Logo, não hesite em perguntar aos seus contactos directos se não sabem de ninguém que lhe possa dar informação ou apresenta-lo a algum decisor.

Na pior das situações se tiver mesmo de ser, não hesite, e faça uma “chamada a frio” mas tente falar com o decisor de algum forma, por email, ou telefone, ou mesmo em último caso: pessoalmente.

3. Encarar reuniões como oportunidades de aprendizagem, e não apenas como entrevistas de emprego

Nas entrevistas a que vá, pergunte mais do que apenas sobre o emprego em questão. Tente saber o máximo de informações sobre o modelo de negócio, sobre o nicho de mercado em que a empresa actua, como ter sucesso nesse ramo de negócio, entre outros. A chave é evitar o nervosismo e parecer desesperado. A pior resposta que se pode ouvir de um candidato é que o que quer é “arranjar emprego”. Até pode ser verdade, mas para quem recruta é mais importante perceber as suas aspirações a médio e a longo prazo.

Nunca se deve esquecer de que “informação é poder” e quanta mais informação reunirmos mais fácil é poder tomar uma decisão acertada, ou modificar os nossos objectivos.

4. Contactar as pessoas de diferentes maneiras.

Fale com os seus contactos profissionais mais próximos da maneira que for mais fácil e eficaz. Saia, vá tomar café com eles, aproveite os momentos mais informais para desenvolver os seus contactos profissionais.

Para os conhecidos com os quais não mantém uma relação extra-profissional, tente falar com eles seja por email, seguido de um contacto telefónico, e com sorte uma reunião pessoal. Se quiser ter uma conversa mais informal, ofereça-se para pagar um almoço ou um café. Após a reunião não se esqueça de enviar um email a agradecer. Com o passar do tempo vá dando e pedindo feedback à sua lista de contactos.

5. Ser sistemático e metódico com os contactos que estabelece.

A memória humana apresenta muitas falhas, por isso após cada reunião, escreva as notas mais importantes a reter e o que aprendeu. Crie uma folha de cálculo ordenada por data, zona geográfica, sector de actividade, por ordem alfabética, enfim estabelece uma forma eficaz de verificar a informação recolhida.

6. Fazer avaliações periódicas do seu progresso.

Encare a procura de emprego como se estivesse a realizar um estudo. Reveja as suas notas das diferentes reuniões e procure por padrões de comportamento ou de seguimento do que deseja. Considere que está a responder às seguintes perguntas: Há alguma maneira melhor para conseguir o cargo que deseja? Está na altura de mudar de método de abordagem? Será que está a apostar na melhor direcção?

Poderá obter melhores resultados se pedir auxilio a um amigo, pedindo-lhe para ser objectivo e lhe dar algumas sugestões. Se não tiver ninguém que cumpra este papel, faça reuniões de análise consigo mesmo. Tente sempre ser o mais objectivo possível. E nunca se esqueça de que mudar de opinião ou de objectivos não é necessariamente uma má opção. È tudo uma questão de estratégia.

Em resumo: A chave para o sucesso na procura de emprego através da utilização do networking, reside acima de tudo na diversificação, quer de contactos, quer de formas de abordagem.

 E vocês como utilizam a vossa rede de contactos?

Até Breve!

Related Posts with Thumbnails